dissabte, 13 de gener de 2018

Castro Laboreiro: esconderijo de galegos e asturianos


http://entreominhoeaserra.blogspot.com.es/2018/01/castro-laboreiro-esconderijo-de-galegos.html


SEXTA-FEIRA, 12 DE JANEIRO DE 2018



Com o golpe militar de 1936 em Espanha, vários pontos da raia foram rapidamente controlados por tropas militares e polícias da PVDE (precursora da PIDE) e da Guarda Fiscal, para precaver a possível fuga de galegos para Portugal. A vigilância da fronteira desde o levantamento militar em Espanha foi um assunto estratégico para os portugueses que não viram com bons olhos a entrada ilegal de refugiados no seu território sobretudo se eram comunistas. O número de militantes das organizações de esquerda galegas que entrou em Portugal foi muito significativo entre Agosto e Dezembro de 1936, data em que a fronteira terrestre entre Espanha e Portugal passou a estar controlada definitivamente pelos militares golpistas.
Em finais de Julho de 1936, quando o território galego passou para as mãos dos insurretos, os portugueses distribuíram as suas tropas pelos postos fronteiriços como reforço da permanente e ativa vigilância dos primeiros dias. A partir de então, para entrar legalmente em Portugal era necessário estar provido duma carta do cônsul do respetivo país que garantisse, quer não ser portador de ideias extremistas como também não ter antecedentes penais. Os requisitos legais eram maiores caso os refugiados fossem provenientes de áreas republicanas em Espanha, já que então havia que acrescentar nomes de pessoas idóneas que os avalizassem, consequência do fervor anticomunista que dominava Portugal. Lembramos que 1936 foi o ano da criação de várias organizações de enquadramento de mulheres e jovens, mas sobretudo foi o ano de inauguração da prisão do Tarrafal, construída na parte norte da ilha de S. Tiago de Cabo Verde.
Logo nos primeiro dias do conflito bélico, ocorrem as primeiras aparições de galegos em território português. Predominavam os indocumentados, mas sobretudo pessoas conotadas com a esquerda. Das 22 passagens legais entre Galiza e Portugal, os galegos que fogem de Franco e da repressão utilizam de forma oficial os postos fronteiriços de Caminha, Vila Nova de Cerveira, Valença, Monção, Peso (Melgaço), e S. Gregório, todas ao longo do rio Minho; Vila Verde de Raia, na estrada de Chaves-Orense e às vezes também nos postos de Portela e Quintanhilha, na região de Bragança. Não era fácil controlar o trânsito ilegal  de refugiados neste longo território fronteiriço entre os dois países. De facto, a polícia política portuguesa estava seriamente preocupada pela passagem clandestina de muitos galegos a Portugal, especialmente na raia seca, pelo que em várias ocasiões a Direção da PVDE solicitou ao Ministério do Interior que se realizassem batidas nas zonas montanhosas fronteiriças de Portugal, onde permaneciam escondidos bastantes refugiados galegos.
Em finais do mês de Setembro de 1936, já havia quase 400 presos espanhóis registados em Portugal, a maioria repartidos entre o velho forte militar, o Reduto Norte do Forte de Caxias, e a prisão debaixo do controlo da PVDE em Bragança, um dos espaços geográficos do norte de Portugal com maior presença de refugiados galegos. Entre esses refugiados detidos estavam muitos dos que cruzavam a raia nos primeiros dias depois do golpe militar. Manuel Pérez Rodriguez era um deles. Quando rebentou a guerra, tinha vinte e três anos, todos passados na sua aldeia raiana de San Lourenço da Illa, no concelho de Entrimo. O dia seguinte ao golpe fugiu para Portugal, junto com outros quinze habitantes dos concelhos raianos da Baixa Límia. Saíram da sua aldeia, da Illa, calcurrearam a serra granítica do Quinxo, junto a Olelas, e baixaram o imponente desnível até ao rio Laboreiro para atravessar a raia e procurar a salvação ao terror que suspeitaram que ia acontecer na Galiza.
Os dias seguintes, outros galegos fizeram o mesmo que esses outros 16. Entre esses galegos que fugiam a Franco e da repressão, predominavam civis de filiação republicana ou esquerdista, mas também havia alguns militares, carabineiros e guardas civis, e a partir de 1937, reservistas galegos que  rejeitavam mobilizar-se para o serviço militar ou para ir para as frentes de guerra.
Desconhecem-se com exatidão o número de galegos que escolheram Portugal para fugir de Franco e da repressão. Só no primeiro semestre da guerra civil, o número de refugiados espanhóis na freguesia de Castro Laboreiro, no concelho de Melgaço, ainda que não fosse estável, era, segundo testemunhos orais, uma cifra que se situava entre quatrocentas e oitocentas refugiados. Aqui chegavam muitos galegos depois do início da guerra civil e posteriormente vários grupos de asturianos escapados da caída da frente norte, onde participavam como clientes ou como ativistas na rede de obtenção de documentos que funcionava ao longo da fronteira.
Outros refugiados atravessaram a raia com documentação falsa, na que utilizavam identidades de familiares falecidos de origem brasileira ou argentina, em que os lugares de residência substituídos por hospedarias ou por casas de portuguesas que os acolhiam, como a Quinta do Hospital da freguesia de Ceivães, o Hotel Internacional de Monção, a Pensão Internacional de Monção, a Casa do Emigrante de Ponte de Lima, e outros tantos. Estes falsificadores provam que havia uma considerável rede de contactos em território português para aqueles galegos que queriam aquela documentação para circularem pelo país. A identidade como cidadão americano garantia um melhor trânsito por Portugal sem temer serem detidos e sem esperarem demasiado o embarque para a América do Sul. Essa rede completava-se com contactos nas agências de emigração e mesmos em certos consulados de Portugal. O ministério espanhol de Asuntos Exteriores queixou-se em mais de um ocasião pela atitude dos seus cônsules que autorizavam o trânsito de espanhóis em Portugal sem esperar a confirmação oficial dos governadores civis. Em todo o caso, estamos a falar de passaportes falsificados e de documentação obtida de forma ilícita, que deviam ter um custo final elevado. Em vários países europeus, os passaportes portugueses chegavam a valer 70 000 francos, 2000 liras ou 3000 marcos durante os anos 30 quando os judeus em fuga de Hitler pretendiam vir para Portugal.
Contudo, não devia ser fácil arranjar documentação para circular por Portugal. Na branda da Seara, na freguesia de Castro Laboreiro, esconderam-se vários refugiados galegos, camuflados nas fragas próximas, mas protegidos por alguns dos castrejos daquelas serras agrestes, reincidentes em acolher refugiados galegos. Entre estes, ocultava-se uma família inteira de galegos à espera dessa desejada documentação: Eudosia Lorenzo Diz, antiga professora em Lobeira, o seu filho pequeno  e seus pais e os seus pais, Agustin Lorenzo Puga, “O Masidário”, e Basilia Diz González, que para não levantar suspeitas não vestiam o trje típico dos castrejos, como se integravam nas suas habituais migrações anuais entre as brandas e as inverneiras. A polícia portuguesa, que teve na sua mesa durante bastantes meses uma ordem de busca e captura dos “Masidários”, recebeu continuamente informações contraditórias da sua presença em diversas brandas e inverneiras da freguesia, mesmo nos lugares fixos dos Ribeiros, de Cima e de Baixo, por onde era cada vez mais frequente ver as quadrilhas de fugidos galegos e asturianos. Finalmente, os “Masidário” seriam detidos no Posto da PVDE em Maio de 1938 e expulsos pelo porto de Lisboa três meses depois rumo a Casablanca (norte de África).
Nesse contexto de ambígua permissividade das autoridades portuguesas, cresciam os grupos de refugiados galegos no norte de Portugal. Desde Fevereiro de 1937 que escapara da sua aldeia raiana de Ferreiros por rejeitar o o recrutamento militar, Xosé Fernandez Gonzalez, “O Riso”, e estabeleceu-se no lugar do Ribeiro de Baixo (Castro Laboreiro), que distava uns poucos quilómetros da sua casa e onde permaneciam escondidos alguns vizinhos do seu concelho e desde finais de 1937 um grupo de asturianos que circulavam com certa facilidade em toda a raia seca. “O Riso” converteu-se num dos elementos de contacto entre estes grupos de refugiados e o Partido Comunista Espanhol, sobretudo a partir do fim da guerra civil. Também quando terminou o conflito bélico, Manuel Peréz Rodríguez, cruzou de novo a raia para instalar-se em Portugal no Ribeiro de Baixo (Castro Laboreiro), onde os castrejos lhe arranjaram uma casa e comida.
No fim da guerra civil, na Serra de Castro Laboreiro, o Partido Comunista Espanhol mantinha um ponto de apoio de entrada em território espanhol controlado por vários dos refugiados que ali operavam e que tinham  como base operações as já citadas duas aldeias, o Bibeiro de Baixo e Ribeiro de Cima, muito próximas das aldeias galegas de Pereira e Olelas…



(CONTINUA)

Extraído de: GALLARDO, Angel Rodriguéz (2007) - Refuxiados e Fuxidos nos Montes de Laboreiro. Cuaderno Arraiano, Verão 2007.